5 de jul de 2009

Eles não são do nosso tipo!

Eis uma frase que exprime identidade. O grupo diz: “Eles não são do nosso tipo”. O indivíduo diz: “Eles não são do meu tipo”. Quem assim se expressa revela o que pensa e o que está em seu interior. Revela a dificuldade em aceitar as pessoas. A limitação de relacionar-se com os diferentes. A infelicidade em rejeitar o semelhante. Está tão acomodado com o estilo de vida que leva, com a rotina da afinidade que não percebe o quanto perde em desprezar o outro que não é do seu circulo.

Via de regra este padrão de rejeição ocorre quando pessoas novas e desconhecidas cruzam o nosso caminho, ou, quando a convivência permite o maior conhecimento do outro, e pensamos: “Ele é assim!?” “Ela gosta disto!?” “Ele é Corintiano!?” “Ele é Santista!?” Não pode! Se não é como eu sou, ou, como nós somos, não pode ficar conosco! Não tem como! Precisamos eliminá-lo do nosso meio, do nosso grupo. Com isso as estratégias diabólicas começam a acontecer para anular ou exitipar o outro, geralmente o que ocorre é: “Vamos boicotá-lo.” “Vamos agir com indiferença.” “Ajamos como se ele não existisse.” “Vamos desprezá-lo” “Vamos fazê-lo sentir desprezível”.
Não escrevo nada estranho e de novo. O problema que trato nesta pastoral, é real e diabólico. Tem causado a ruína da nossa sociedade, bem como da igreja. Toda fez que você age com indiferença para com o seu próximo, como se não o visse, mesmo vendo-o, quando você deseja anular a outra pessoa, especialmente porque é diferente de você, ou, do grupo que você participa, você está pecando gravemente contra Deus, está sendo um instrumento das trevas para detonar com a comunhão e o respeito mútuo dentro da igreja.
O apóstolo Paulo ao escrever para a Igreja de Corinto os adverte quanto a este problema. Aquela igreja era ativa, porém, desfacelada por relacionamentos facciosos e predileção de alguns. Os fomosos “grupinhos donos da igreja” que querem controlar e fazer com que a igreja seja a sua imagem e semelhança. O que gera? Uma anomalia eclesiástica. Uma aberração. Uma distorção da Igreja de Jesus. O Evangelho é blasfemado, a igreja é enfraquecida, os grupinhos se colidem e as pessoas tornam-se escravos do Diabo e difamam a igreja. A palavra de Deus nos adverte em 1 Coríntios 1.10-13; Tiago 2.1-9; 1 João 3.18; Filipenses 2.4; Romanos 15.1-3.
Seriamente necessitamos parar com tanta correria e rever como estamos agindo uns com outros. Precisamos reparar os erros que cometemos diariamente, dominicalmente, ano vem e ano vai e nenhuma mudança ocorre. Não podemos nos conformar a este padrão lascivio da carne, do mundo e do Diabo. Quem são as pessoas que você tem dificuldade de se relacionar? Quem são as pessoas, ou a pessoa, que você não se bate? Você não pode continuar vivendo deste modo. Não pode continuar nutrindo a indiferença e a rejeição contra o seu próximo, e mais o seu irmão em Cristo. Romanos 12.18
O Senhor Jesus é muito claro acerca deste assunto. Leia Mateus 5.23-26; Mateus 18.15; Tiago 5.16. O que você está esperando para reconciliar com o teu próximo? “Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo.” Tiago 5.16. Mude. “Eles não são do nosso tipo” não é esta identidade que Deus nos dá. Não devemos fazer acepções de pessoas. Deus não faz! Deus derrama o seu amor e perdão para todos os que se arrependem e creem em Jesus Cristo. Todos que sinceramente o buscam e anseiam por uma nova vida. Leia esses textos: Deuteronômio 10.17-18; 16.19; Atos 10.34; Romanos 2.11; Efésios 6.9; Colossenses 3.23-25; Tiago 2.1-9; 1 Pedro 1.17-21.
A nossa identidade é forjada por Deus na pessoa do nosso único Senhor e Salvador Jesus Cristo. Como bem exortou o apóstolo dos gentíos “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, ...” Romanos 12.2 Deixemos o indiferentismo, o individualismo e o grupismo. Vamos tratar as nossas feridas e doenças para que sejamos curados, saudáveis e crescentes para o louvor da Glória de Deus e a expansão do Evangelho.
Juntos Somos Mais,
Pr. Rodrigo Odney

Nenhum comentário:

Postar um comentário