27 de mai de 2009

Removendo as Barreiras para começarmos a ser a igreja que Deus quer que sejamos.

Quais barreiras há no seu coração e te impossibilitam viver plenamente os propósitos de Deus? Quais barreiras você tem guardado em seus arquivos secretos e tem lhe tornado um crente sem vida e sem expressão no corpo de Cristo? Quais barreiras te impedem de ser o discípulo e servo que Jesus te chama para ser? Quais barreiras tem ofuscado os talentos que Deus te deu?

Barreiras existem para serem superadas. Vencidas. Diante as barreiras não podemos nos acovardar e fugir; o que nós precisamos é de humildade, coragem e submissão a Deus, a sua Palavra e vida em Corpo para aprendermos e atendermos ao chamado: "Ouve, ó Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor! Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força. O segundo é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes." Marcos 12.29-31

Amaremos como Deus nos ordena a medida que as barreiras forem remediadas e extirpadas de nosso meio. Passo a passo comemoraremos as vitórias alcançadas pela observância das Sagradas Escrituras. Notaremos a diferença na forma como viveremos a fé e como lidaremos conosco mesmo e com o próximo. Assim será pelo simples e puro ato de obediência ao Senhor. Isto redundará em maravilhas em nosso meio. Realidade que para muitos, hoje, possa ser inusitada, será o nosso dia-a-dia. Será o poder do evangelho operando em nós, transformando-nos e moldando-nos conforme a mente do nosso único Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Como pastor da igreja, convoco a cada membro e congregado a priorizar a nossa saúde como Corpo e única família em Cristo. Serão de reflexão, aprendizado e transformação na maneira que encaramos as circunstâncias. Cada membro do corpo de Cristo precisa ser biblicamente tratado e curado pelo Evangelho. Os estudos serão puramente bíblicos. Utilizaremos o livro recomendado pela OPBB que tem como subtítulo: Uma jornada para toda a igreja na direção da Unidade e Comunhão que glorificam a Deus. O tema do livro é: Liberando o Fluir do Avivamento. Autor: Gregory R. Frizzell.

Quais barreiras precisamos eliminar? Ódio, Amargura e falso perdão; Fofoca, insinuação e calúnia; Pastores de curta temporada membros passageiros; Eles não são do nosso tipo; Ataque e resistência às pessoas novas; Guerras de culto e batalhas de gerações; Presos aos relógio, reclamações carnais e insensibilidade espiritual; Boicotes às reuniões de oração e resistência carnal; Ciladas das assembléias de negócios e o jogo de poder na votação; Mexendo na panela e pondo lenha na fogueira; Roubar a Deus para protestar contra as pessoas; Nós nunca fizemos deste jeito; Fuga - pulando da igreja; Desrespeito às comissões e aos líderes leigos; Personalidades acima de Deus e do Reino; Nos bons velhos tempos; A guerra fria congregacional; Críticos hipersensíveis, estourados e juizes "mais santos do que os outros"; Batalhas em tempos de decisão; Fogueiras nos relacionamentos e tempestades em copo d'água; Pastores espremidos e expectativas não bíblicas; Programas sem oração e mudar por mudar; A manutenção organizacional acima da expansão focada no reino; e Negatividade e dúvida perpétua.

Por essas razões e tantas outras, afirmo: você não pode ficar de fora! O que te impede vir domingo pela manhã? Se for o sono, durma mais cedo. Se for o preparo do almoço, faça antes. Se for o desânimo, pense o que Cristo sofreu por você. Se você está domingo de manhã em casa, priorize esse crescimento em sua vida. Em sua família. Em sua igreja. Se você faltar todos vão perder. Nós perderemos. Por isso, mesmo que estejas cansado lembre-se da figura do atleta, do lavrador e de tantos outros, utilizados por Paulo para ilustrar que crescimento, excelência e primor requer clareza de prioridade. Só assim cresceremos. Tenhamos a prioridade de Mateus 6.33.

Lembremo-nos do que nos relata o médico Lucas quando registrou a marca da igreja de Jerusalém. Atos 2.37-47. A convocação está feita, começa no próximo Domingo às 9 horas, o aguardamos.

Do coração, Pr. Rodrigo Odney
rodrigoodney.blogspot.com

19 de mai de 2009

A CENTRALIDADE DE DEUS

“Portanto, grandíssimo és, ó SENHOR Deus, porque não há semelhante a ti, e não há outro Deus além de ti, segundo tudo o que nós mesmos temos ouvido.” 2 Samuel 7.22
Davi começava a experimentar um período de paz e de prosperidade em seu reinado, os seus filhos estavam nascendo e os frutos da realeza começavam a florear. Nesse contexto, surge a preocupação com o fato de habitar em casa de fino acabamento, enquanto, a arca de Deus em tendas. O que o incomodou e desejou mudança, mas, na verdade, ele é quem foi mudado. Deus o faz perceber que é Ele quem provê, cuida, faz prosperar, dá segurança, e, não Davi. Deus estabelece com Davi uma aliança messiânica (v.12-16). Resultado: Davi reconhece o Senhorio, a Majestade, a Glória, o Poder, a Honra que deve ser dada ao Único Deus. Deus é a causa causadora.
Bem como Davi, nós precisamos aprender que é Deus quem é Soberano sobre todas coisas e está no controle do universo conhecido e desconhecido. Esta é a primeira verdade que devemos pautar o ministério que Deus deu à sua igreja e a cada um individualmente. Nós precisamos reconhecer que quem é o Senhor e Digno de ser adorado, é Deus, e, não nós e os nossos projetos. A igreja precisa reconhecer que a sua missão atemporal é adorar a Deus, é reconhecer e viver segundo o Seu Senhorio. O apóstolo João viu e ouviu dos quatro seres viventes: “ Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, aquele que era, que é e que há de vir.” (Apocalipse 4.8) e dos vinte e quatro anciões: “ Tu és digno, Senhor e Deus nosso, de receber a glória, a honra e o poder, porque todas as coisas tu criaste, sim, por causa da tua vontade vieram a existir e foram criadas.” (Apocalipse 4.11).
Deus corrigiu a perspectiva de Davi e precisa corrigir a nossa para que tenhamos a visão correta. Para tanto, precisamos nos atentar basicamente a três desvirtuamento da nossa visão. A primeira ameaça é o eu-ismo. Esta ameaça afaga o ego e faz pensar que somos o centro do mundo. Eu-ismo tem sido a marca da nossa sociedade. Facilmente somos seduzidos a assumir o trono. Outra ameaça, é o hedonismo. A pessoa hedonista só pensa no seu prazer individual e imediato. Para essa pessoa não importa que conseqüências as suas decisões trarão para o semelhante . Não importa se haverá perdas para a coletividade. Uma nuança do eu-ismo. A terceira é o narcisismo. A pessoa narcisista idolatra-se. Invoca-se como a expressão da perfeição absoluta. Possui uma auto imagem distorcida, míope, é o padrão universal que todos devem espelhar-se e ou submeter-se aos seus interesses e concepções. Essas visões distorcidas de si mesmo tem causado muitos prejuízos para a sociedade, igrejas e lares.
Me inspira a postura do último profeta, João Batista, ele tinha perfeita consciência de quem era e qual a sua missão, e, quando indagado, afirmou: “eu não sou o Cristo, mas fui enviado como seu precursor. ... Convém que ele cresça e que eu diminua.” (João 3.28,30). Tenhamos a visão de quem está no centro e não desviemos a nossa atenção dEle. Foquemos os nossos olhos e nossas ações para a glória do nosso Deus. Rejeitemos todo convite, assédio e provocações extrínsecas e intrínsecas que nos fazem perder a foco em Deus para nós mesmos. A base para uma boa filosofia de ministério consiste na percepção de que é Deus, o Seu governo, as suas obras que são tão somente para louvor da Sua Glória. Ter a visão da centralidade de Deus corrige a nossa visão e direciona os nossos passos para a valorização do que Ele nos deu para Louvor da Sua glória. Apreciemos as maravilhas do Senhor e O sirvamos com fidelidade e excelência.

Ex Corde, Pr. Rodrigo Odney